domingo, 8 de julho de 2012

Vale-alimentação e vale-refeição




Muitos empregados são beneficiados com um auxílio para sua alimentação e refeições, através de vale-alimentação e/ou vale-refeição, bem como com auxílio-alimentação (ou similares) ou, ainda, com refeições oferecidas em um refeitório disponibilizado pelo empregador no ambiente de trabalho.

Os benefícios acima mencionados podem ou não serem obrigatórios. A legislação trabalhista não prevê que os benefícios em comento sejam direitos que obrigatoriamente devem ser fornecidos pelo empregador aos seus funcionários.

Contudo, os benefícios em tela podem ser obrigatórios caso as normas coletivas da categoria (acordo coletivo, convenção coletiva ou dissídio coletivo) estipulem o fornecimento de vales ou auxílios para alimentação.

Ainda, o empregador poderá fornecer os benefícios por liberalidade, podendo ajustar de forma escrita ou verbal o alcance da benesse.

O vale-refeição, o vale-alimentação e similares podem trazer vantagens para ambas as partes: empregado e empregador. Contudo, para que a parte empregadora efetivamente possa usufruir dos benefícios fiscais, deverá observar o que está determinado pela lei no tocante a matéria, conforme será discorrido no decorrer deste ensaio.

Conforme já foi referido, a legislação não prevê os benefícios em estudo como direitos trabalhistas. Contudo, a partir do momento que são concedidos, assumem os status de direito adquirido do empregado, integrando o patrimônio jurídico do laborista, ou seja, o empregador não pode mais deixar de fornecer.

Diferenças entre vale-alimentação e vale-refeição

Os benefícios de alimentação e refeição poderão ser identificados através de rubricas diversas, tais como:


ü  Vale-alimentação
ü  Vale-refeição
ü  Ticket (alimentação ou refeição)
ü  Auxílio-alimentação
ü  Auxílio-refeição
ü  Auxílio-cesta
ü  Auxílio-rancho

ü  
E, ainda, existem diferenças entre eles, inclusive no tocante à natureza jurídica. Muitos pensam que vale-alimentação e vale-refeição são sinônimos, o que é equivocado.

O vale-refeição decorre do sistema de refeição-convênio, que possibilita ao funcionário almoçar ou jantar em qualquer estabelecimento do ramo de refeições (restaurante, bares, lanchonetes, etc...) que aceite seu vale-refeição.

Por outro lado, o sistema de alimentação-convênio (vale-alimentação) é aceito no comércio distribuidor de gêneros alimentícios, tais como mercados, para compra de alimentos "in natura", como, por exemplo, produtos da cesta básica.

Muitos empregadores permitem que os funcionários escolham aquele que melhor lhe atende: o vale-refeição ou o vale-alimentação.

Como o tema central deste post refere-se aos vales-alimentação e refeição, não será aprofundado o estudo a respeito de outros benefícios relativos a alimentação do trabalhador, o que será objeto de um novo post, que será publicado neste blog em outra oportunidade.

O risco de configuração do salário in natura

Conforme já referido, as rubricas de uma folha de pagamento referentes a refeições ou alimentação podem ter natureza jurídica distinta umas das outras. Se não forem observadas certas regras jurídicas, um benefício de vale-refeição pode ser considerado como salário.

Ocorre que muitos empregadores de má-fé tentam fraudar a legislação trabalhista, pagando um salário baixo, e complementando o pagamento mensal com outras rubricas, com aparência de verba indenizatória, para sonegar direitos trabalhistas, com prejuízo da base de cálculo de outras verbas de natureza salarial (hora extras, insalubridade), bem como FGTS e contribuições previdenciárias.

Uma utilidade proporcionada pelo empregador, como a alimentação, ganha natureza salarial (salário in natura ou salário-utilidade) quando fornecida pelos serviços prestados, ou seja, como forma de contraprestação. [1]

Para que o fornecimento de refeição aos empregados não seja caracterizado como valor de natureza salarial, a primeira formalidade que deve ser atendida é a de a empresa estar inscrita no PAT- Programa de Alimentação ao Trabalhador.

O Programa de Alimentação do Trabalhador foi instituído pela Lei nº 6.321/1976 e regulamentado pelo Decreto nº 5/1991, que priorizam o atendimento aos trabalhadores de baixa renda, isto é, aqueles que ganham até cinco salários mínimos mensais.

O PAT decorre de uma parceria entre governo, empresa e trabalhador, e tem como unidade gestora a Secretaria de Inspeção do Trabalho/Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho. [2]

O empregador corre o risco de constituir um passivo trabalhista ao fornecer graciosamente a alimentação ao empregado sem estar inscrita no PAT. O valor fica caracterizado como salário, devendo ser utilizado como base para o cálculo da remuneração, FGTS, INSS e verbas rescisórias.

Consoante o advogado  Jose Ubirajara Peluso, a lei não considera determinadas utilidades, embora pessoais, como verba salarial, com o intuito de estimular o empregador a concedê-los ao empregado. De acordo com Peluso “entre elas estão a educação, assistência médica, seguro de vida, previdência privada, vale-transporte e a alimentação concedida com base no PAT.” [3]

Outra formalidade que deve ser observada pelo empregador é que o benefício não seja alcançado de forma gratuita, sem ônus para o trabalhador. Ou seja, semelhante ao procedimento do vale-transporte, deve ser descontado algum valor no contracheque do empregado.

Também cumpre destacar outra lição de Jose Ubirajara Peluso, de que a cobrança de uma quantia simbólica do trabalhador também traz a presunção de que existe intenção de desobediência das normas trabalhistas e não afasta o caráter de salário-utilidade ou “in natura" [3].

Vantagens e desvantagens

Se o empregador cumprir as formalidades legais, com observância das regras do PAT e legislação trabalhista, o valor correspondente ao benefício do vale-refeição ou vale-alimentação não será considerado como de natureza salarial, tampouco será base de cálculo de FGTS, INSS e IR sobre o valor do benefício concedido para o trabalhador. [4]

O empregador credenciado no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) não terá encargos sociais e terá incentivo fiscal, com a dedução de até 4% no imposto de renda que seria devido. [5]

Inclusive, o Ministério do Trabalho e Emprego disponibiliza na Internet uma cartilha sobre o PAT, na qual são citadas as vantagens para as empresas inscritas no PAT [6]:


ü    Aumento da produtividade.
ü    Maior integração entre trabalhadores e a empresa.
ü    Redução de atrasos e faltas ao trabalho.
ü    Redução da rotatividade.
ü    Redução do número de doenças e acidentes do trabalho.
ü    Isenção de encargos sociais sobre o valor do benefício concedido.
ü    Incentivo fiscal: dedução de até 4% do imposto de renda devido
ü    (empresa de lucro real).

Procedimento para poder fornecer o benefício aos empregados

Para se filiar ao PAT - Programa de Alimentação do Trabalhador - é preciso que a empresa tenha pelo menos um funcionário e preencha um formulário oficial adquirido nas agências dos Correios ou pelo site do Ministério do Trabalhohttp://www.mte.gov.br.
De acordo com as normas do Ministério do Trabalho e Emprego, o comprovante de registro recibo destacável do próprio formulário deverá ser conservado na contabilidade da empresa. Uma vez inscrita, a empresa só precisa informar, anualmente, sua participação no programa, pelo Relatório Anual de Informações Sociais - RAIS.

Notas:
[1] Conforme acórdão julgado pela 2ª Turma do TRT/SP, no recurso ordinário 00340200625502008 Ac. 20090582270, de relaria da Des. Odette Silveira Moraes - DOE 18/08/2009.
[3] PELUSO, Jose Ubirajara. Em empresas não inscritas no PAT, vale-refeição é parte integrante do salário. Uol, 13 ago. 2007. Disponível em:  http://www.administradores.com.br/noticias/administracao-e-negocios/em-empresas-nao-inscritas-no-pat-vale-refeicao-e-parte-integrante-do-salario/11818/)
[6] MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO. Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) Responde. 2. ed. Brasília: 2006. p. 9. Disponível em: http://www.mte.gov.br/empregador/pat/conteudo/cartilha_do_pat_responde.pdf

Outras referências:
MINISTERIO DO TRABALHO EM EMPREGO. Disponível em: www.mte.gov.br/pat/‎
SODEXO Pass do Brasil Serviços e Comércio Ltda. Conheça aqui como participar do PAT – Programa de Alimentação do Trabalhador. Disponível em: http://br.sodexo.com/brpo/services/chequescartoes/empresas/pat/pat.asp

24 comentários:

  1. Ola a empresa em que eu trabalho cancelou meu cartão refeição alegando que a justiça proibiu, isso é verdade? Ele disse que a justiça quer que as empresas deem a alimentação in natura. Gostaria de saber sobre isso.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber se é obrigatório o empregador conceder auxilio alimentação durante o contrato de experiência?

    ResponderExcluir
  3. GOSTARIA DE SABER SE O VALOR GASTO PELA EMPRESA NO FORNECIMENTO DA ALIMENTAÇÃO PODE SER ABATIDO EM IMPOSTO OU ALGO PARECIDO?
    GRATO

    ResponderExcluir
  4. Olá

    Minha empresa está próxima dos 300 funcionários, sei que se construir um refeitório estarei operando legalmente, mas minha duvida é a seguinte:

    - Se eu optar pelo Ticket-Refeição, estarei isento construir um refeitório e estarei operando legalmente?

    - Quanto ao PAT como eu deveria proceder?

    - O PAT poderia me atoar caso não cadastrado?

    - Teria algum custo a mais além do valor do Ticket por funcionário?

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  5. gostaria de saber se quem recebe auxilio doença pode continuar recebendo o vale refeição,meu marido sofreu um acidente e esta afastado recebendo o beneficio.meu email é cinthiamarialoureno382@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Moça, o que eu posso comprar e o que eu não posso comprar com o meu cartão de alimentação?
    att,
    vandernarede@hotmail.com

    ResponderExcluir
  7. Bom dia
    Na empresa onde trabalho fornece vale refeição para os funcionários, mas uns que trabalham externos recebem ticket de 15 reais por dia e os internos recebem vale de 7 reais por dia e não é ticket, é um contrato com a pensão. Na lei pode acontecer de ter valores diferentes de vale refeição na mesma empresa?

    ResponderExcluir
  8. gostaria de saber se é legal a empresa pagar vale alimentação + refeição alguns empregados, a outros somente vale refeição; e quando fomos admitidos nos foi informados que deveríamos preencher o contrato do plano de saúde como solteiros, para que nossos dependentes não tivessem direitos.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite!
    Minha empresa não paga alimentação e não tem nenhum lugar para guardar a comida de casa nem esquentar ou ao menos um lugar de descanso.
    9 horas de trabalho com 1 de almoço.
    É justo ou posso correr atras dos meus direitos?
    borgesdayana23@gmail.com

    Grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  10. eu sai da empresa , e vou cumprir aviso prévio , por um mÊs , meu vale refeição vai cair esse mês que eu ficar lá

    ResponderExcluir
  11. Trabalho em uma loja de roupas,comércio, sou estoquista porém trabalho 8 horas por dia. A empresa não paga vale alimentação/refeição, e agora poribiram os funcionários de levar comida de casa.
    Gostaria de saber se isso é permetido, se já que não pagam vale tenho direito de levar comida de casa e comer no local.

    ResponderExcluir
  12. olá trabalho em uma pequena firma de reparo e manutenção de ar condicionados e gostaria de saber se tenho direito a plano de saúde ou salubridade e s tenho direito a vale alimentação já que nos dão uma ajuda de custo de 5 reais

    ResponderExcluir
  13. Opá gostaria de saber qual o espaço e o que tem q ter onde eu como?

    ResponderExcluir
  14. Dra, por gentileza, uma empresa pode conceder VA a bel prazer? Ou seja, pagar para alguns, não pagar para outros, pagar mais para uns, menos para outros e assim por diante?

    ResponderExcluir
  15. Bom dia minha empresa dava ticket refeição para os funcionários e depois de um tempo parou de oferecer o beneficio servindo comida num refeitório, o funcionário não teve escolha, só comer no refeitório. Isso pode Dra. Aguardo retorno ok.

    ResponderExcluir
  16. Olá...Trabalho em um hospital, das 07 as 13:15, e cortaram o café das 09, não temos direito a almoço, enfim, ficamos de 07 até as 13:15, sem se alimentar, naturalmente consigo comer as 15:00, já que não moro próximo ao emprego,sou hiperglicemica, e preciso de comer de 3 em 3 horas, é proibido se alimentar no hospital, e o refeitório fica fechado a maior parte do dia, isso é legal?? já que em relação a se tratando de saúde isso prejudica muito e não favorece em nada o bem estar de seus funcionários???

    ResponderExcluir
  17. Estimados leitores,

    Por razões éticas, o Blog DIREITO DO TRABALHO EM AÇÃO não responde questionamentos jurídicos.

    Agradeço pela atenção e pelas visitas no Blog!

    Abraços, Ellen Lindemann Wother

    ResponderExcluir
  18. ola goataria de saber se a empresa pode cobrar que o funcionario tenha que bater meta para receber o beneficio, caso não bata meta semanal nao sera consedido, isso e legal?
    trabalho 10 horas por dia.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia,
    Meu patrão acordou em pagar a alimentação por semana, no caso toda sexta a alimentação da semana seguinte. Porém não é isso que esta sendo feito. Tem alguma lei que diz o dia em que tem que ser paga a alimentação. Como tem que ser paga?
    Agradeço a quem puder me ajudar

    ResponderExcluir
  20. Boa Noite!!!
    A Empresa em que eu trabalho oferece vale refeição somente para os funcionarios que trabalham acima de 120 horas, quem trabalha com uma carga horária menor não é contemplado com o beneficio. Isso é legal?

    ResponderExcluir
  21. sou obrigado comprar refeição com meu tikt de alimentação?

    ResponderExcluir
  22. Ola. entrei numa empresa no dia23de julho so hoje chegou o meu cartao de alimentaçao quero saber se ele ja tem k estar carregado com o mes de agosto

    ResponderExcluir